domingo, 19 de maio de 2013

Maneira de amor

  Ela se jogou no sofá da sala do pequeno apartamento,estava cansada demais para um dia qualquer.O sorriso não lhe faltava ao rosto,e mesmo com o cansaço daquele dia ela não mudaria sua marca.Apesar de não acreditar em rotinas sabia o quê sucederia nos próximos minutos.Ele chegaria,tocaria a campainha mesmo tendo a chave,ela iria destrancar a abrir a antiga porta de madeira que dava privacidade ao casal.Deixaria sua mochila surrada em cima da mesa,sorriria para ela.O inesperado do incio do relacionamento havia se tornado rotina.Cômico, nenhum dos dois gostavam de normalidade.
  A campainha tocou,ela se levantou lentamente,calçou os chinelos e abriu a porta,ele entrou,deixou a mochila em cima da mesa,sorriu para ela.Trocaram um pequeno beijo.Mesmo com o passar do tempo ela ainda se arrepiava com os toques que ele depositava em seu corpo.Conversaram sobre coisas banais e em seguida ele foi tomar uma chuveirada enquanto ela testava seus dotes culinários.O jantar estava servido,a mesa arrumada para dois,as luzes da pequena casa não estavam apagadas e as velas estavam no armário da cozinha mas não havia necessidade de um jantar especial,estarem junto já era especial!
 Ele havia pensado nela durante todo dia e ela sabia disso.Ela também havia pensando nele durante todo o dia,as horas enquanto trabalhava pareciam eternidades.Mesmo vendo ele frequentemente ela raramente falava sobre seus sentimentos,não existia necessidade de tal assunto,pois qualquer desatento perceberia seus olhos brilharem ao falar o nome dele,e era sobre ele as vírgulas que ela deixava escapar entre uma conversa e outra.Iniciantes na arte do amor geralmente acreditam na eternidade do amor,mas não os dois.Por mais novos que fossem sabiam que raramente os sentimentos duravam até o fim da vida e que o eterno seriam os momentos juntos e o AMANHÃ ainda era uma preocupação distante!
 Estavam satisfeitos,ela lavou a louça enquanto ele organizava a mesa.Ele colocou Caetano e cantarolaram juntos até terminarem suas atividade.Quando terminaram assistiram ao jornal,ela dormiu em seus braços.Ele a colocou na cama,beijou sua testa como gesto de carinho e desligou a luz.Adormeceu ao seu lado,o silêncio então  pousara na casa.
 Mais um dia tinha chegado ao final.No dia seguinte os dois iriam trabalhar,esperariam ansiosamente o fim do dia somente para se verem.Ela o esperaria chegar,faria o jantar,assistiriam ao jornal e depois o inesperado poderia acontecer.
 O amor nem sempre necessita de grandes ações e os dois sabiam disso,em um olhar compreendiam o quê o outro falava ao silêncio.Cada um tem sua própria maneira de expressar sentimento.Como já disse Carpinejar o amor é um filme de baixo orçamento...

                                                                                        Luíza P.

6 comentários:

  1. Que texto lindo! adorei a parte do olhar *--*

    .http://justonemomentt.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O olhar as vezes dizem mais que as palavras haha.Obrigada Maiah :)

      Excluir
  2. O que eu mais gostei nesse texto, foi os mínimos detalhes que você colocou de uma forma tão simples, mas essencial. Escreve muito bem Luíza, muito mesmo. Sobre o texto, o amor é algo que eu nunca vou entender ao todo, é isso que você disse, é tudo o que tentamos explicar e sempre falta um pouco, o amor é algo intenso demais, e bonito, bonito como o seu texto.
    Até mais, http://desventuras-em.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Era essa minha vontade,apesar de ser realmente muito detalhista e considerar isso até um defeito nunca usei a meu favor em meus contos ou crônicas,acho que estava passando da hora.Concordo com sua explicação de amor.Obrigadaa!
      Beijoos :)

      Excluir
  3. Respostas
    1. Sempre que escrevo espero sua opinião! Obrigada

      Excluir